quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Quem colocou Deus no real não tinha nada mais importante a fazer?



por Carlos Orsi para Folha
Colocar Deus nas cédulas é errado tanto
quanto transcrever "Vai, Corinthians!"

Entre várias que circularam nos últimos dias, a crítica mais comum ao pedido do Ministério Público Federal para que o real deixe de trazer a frase "Deus seja louvado" é a de que essa solicitação seria "falta do que fazer".
Uma objeção curiosa porque, primeiro, suscita a pergunta: e quando a frase foi incluída no dinheiro, será que ninguém tinha nada mais importante a fazer? (O lema entrou na moeda com o Plano Cruzado, que acabou levando o país à falência, em 1987.)
Em segundo lugar, a alegação de "falta do que fazer", ao esquivar-se do mérito da questão, embute um reconhecimento tácito de derrota.
É como se o crítico dissesse que sim, a frase não deveria estar lá, mas será que não temos erros maiores a corrigir antes?
Só que a presença do lema no real é um erro grave — viola o princípio geral do Estado laico e a letra da Constituição — e relativamente fácil de corrigir. Então, por que não resolvê-lo, logo de uma vez?
Confrontadas com essa sugestão, muitas das pessoas que vinham argumentando que o problema era irrelevante e, portanto, não precisava ser solucionado, repentinamente convertem-se em defensoras ferrenhas da frase. O que indica que a alegação de irrelevância não passava de mera afetação.
Um pouco sobre o laicismo: ele deriva diretamente do princípio da liberdade religiosa: se todo brasileiro é livre para ter a religião que quiser (ou não ter religião nenhuma), então é errado que o governo, que representa e é sustentado pela totalidade dos cidadãos, eleja favoritos.
O artigo 19 da Constituição proíbe o Estado de "subvencionar" cultos religiosos. E usar dinheiro para mandar as pessoas louvarem a Deus me parece um caso claro de subvenção.
Da mesma forma que seria errado, porque discriminatório, o governo pôr "Vai Corinthians" ou "Sempre Flamengo" na moeda, mesmo sendo estas as nossas torcidas majoritárias, é errado fazer isso com "Deus seja louvado", "Deus não seja louvado" ou "Satanás é o senhor". Todas são frases que uma vez sancionadas pelo Estado, alienam e discriminam cidadãos brasileiros.
Há ainda quem tema que, à remoção da frase, sigam-se extinção de feriados e a mudança dos nomes de cidades, como São Paulo.
O temor ignora, porém, que os nomes de cidades seculares têm peso cultural e histórico muito maior que "Deus seja louvado" (lema adotado nos anos 1980). Sobre os feriados, quantos mantêm caráter, de fato, religioso? O coelhinho da Páscoa e Papai Noel, por exemplo, não têm culto, exceto nas lojas de chocolate ou de brinquedos.
Há ainda a objeção de que "o Estado é laico, mas não ateu". Sim, o Estado não é ateu! Só que ninguém exige que o real passe a dizer "Deus não existe", mas apenas que o dinheiro pare de falar de Deus e ponto. Confunde-se neutralidade com oposição, o que é tolice ou má-fé.
O medo de que a frase desapareça do real reflete, no fim, uma ótica de disputa de prestígio: nesse enfoque, se "Deus seja louvado" sair do dinheiro, isso significará que "os ateus estão mais fortes", ou que o sentimento religioso perdeu relevância na sociedade, o que algumas pessoas consideram intolerável.
É uma interpretação míope. Há muitos religiosos que consideram a frase inadequada, seja por respeito ao caráter laico do Estado, seja por acreditar que o vil metal, causa de tantos crimes e pecados, é indigno do nome do ser supremo.
Se realmente há algum "prestígio" em jogo, certamente não é o do suposto criador, mas apenas o que alimenta a vaidade de alguns de seus autoproclamados representantes aqui na Terra.

Leia mais em http://www.paulopes.com.br 

3 comentários:

  1. Usando um argumento parecido, os anarquistas poderiam propor a retirada da efígie da República das notas ...
    A questão da tradição cultural de um povo não deve ser abstraída ou excluída. Selos contêm imagens e citações, notas são objetos de troca - por que não poderiam contê-las?
    Deus não é um ente de uma única religião! O argumento do MPF é falso ao dizer que o uso dessa palavra privilegia uma religião.

    E a citação positivista na bandeira? Também tem que retirar porque o positivismo está superado? kkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "O medo de que a frase desapareça do real reflete, no fim, uma ótica de disputa de prestígio: nesse enfoque, se "Deus seja louvado" sair do dinheiro, isso significará que "os ateus estão mais fortes", ou que o sentimento religioso perdeu relevância na sociedade, o que algumas pessoas consideram intolerável."

      Extraí este trecho do texto, porque ele reflete bem o sentimento que domina as massas religiosas, uma vez que as religiões já perderam suas bases há muito tempo atrás, quando, se não estou enganado Auguste Comte, esclareceu que a crença em mitos pode ser considerada a infancia da humanidade, conforme esta amadureceu, foi compreendendo certos fenomenos, os mitos e os deuses passaram a ser desnecessários ao preenchimento das lacunas que a ignorância não era capaz de explicar.

      A mim pouco importa se a frase seja retirada ou não, mas a discussão é importante e boto lenha na fogueira, porque é preciso que se faça um debate maior sobre as influências das religiões no estado, também é importante ressaltar que o estado ao utilizar esta frase no dinheiro ou no preâmbulo das leis, nada mais faz do que esconder a sua verve dominadora, por trás de uma falaciosa humildade cristã, ou de qualquer outra religião.

      Se não cuidarmos, toda a legislação será teocrática, com base nos 10 mandamentos, logo sem sustentabilidade nenhuma, a não ser por força de mílicias religiosas... que deus nos livre disso (é uma piada).

      Quanto a tirar expressões e símbolos religiosas de selos, ou mesmo mudar o nome de certos estados, isso é um fomento argumentativo dos defensores da frase infame, utilizada para esfervecer a loucura dos súditos fiéis. Fosse assim, também deveríamos propor a troca dos nomes de todas as pessoas que tem origem em livros sagrados.

      Excluir
  2. Laicidade já! (Só pq cheguei atrasado no blog)

    ResponderExcluir

Obrigado por estar interagindo neste trabalho.
Sua participação é muito importante.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...